Pesquisar
Close this search box.
3

Posts recentes

.

Pesquisar
Close this search box.

.

O que é doença renal crônica: sintomas, tratamento e mais

Se você possui dúvida sobre doença renal crônica, este é o conteúdo certo. Entenda quais tratamentos, sintomas e muito mais sobre essa enfermidade que ataca os rins.

Tempo de leitura: 11 min
Compartilhe
O nefrologista é o médico que cuida da saúde dos seus rins. Imagem: Freepik

O que você vai ler neste artigo:

Quando tentamos entender o que é doença renal crônica, segundo o Ministério da Saúde, o termo se refere a alterações que afetam as estruturas dos rins. Ainda segundo o Ministério, as causas podem ser diversas e precisam ser investigadas com precisão. 

Afinal, quanto constatada, o estágio da doença renal também precisa ser identificada para o início de potenciais tratamentos. 

Pensando nisso, criamos um texto completo sobre este assunto. Por aqui você vai entender melhor o que é doença renal crônica, os principais sintomas, os melhores tratamentos, além de mais detalhes que você também precisa saber. 

Esperamos que você goste do conteúdo. Boa leitura!

Qual a função e a importância do rim?

Muita gente fala sobre a importância dos rins e como a falta de cuidados com o órgão pode comprometer a saúde do corpo inteiro. Mas como o rim trabalha e qual o motivo dele ser tão importante para todas as pessoas?

Antes de qualquer coisa, é importante saber que os rins são órgãos complexos. Isto é, eles coordenam diversas funções no organismo. Só para você ter ideia, veja o que os rins fazem pela saúde do seu corpo:

  • Eliminação toxinas, ajudando a fortalecer o sistema imunológico corporal;
  • Filtram substâncias que se encontram em excesso no organismo, a fim de manter o fluxo da corrente sanguínea equilibrado;
  • Controlam o nível de água no organismo;
  • Controlam o nível de sais minerais no organismo;
  • São responsáveis pelo pH do sangue;
  • Produzem hormônios para ajustar no controle da pressão arterial;
  • Produzem vitamina D;
  • Produzem hormônios a fim de aumentar a produção de glóbulos vermelhos para a medula óssea. 

Então, de forma resumida, podemos entender que os rins produzem hormônios, vitamina e filtram o sangue a fim de manter o corpo em perfeito equilíbrio. Apenas os rins são responsáveis por filtrar 180 litros de sangue por dia. 

Logo, se eles não se encontram em pleno funcionamento, outros órgãos podem ser atingidos. 

O que é doença renal crônica?

Então, o que é doença renal crônica? Também conhecida como DRC, é uma doença que afeta o funcionamento dos rins. Essa doença pode ter diversas causas e faz com que os rins percam de forma definitiva a sua função. 

É muito comum que a pessoa que tenha doença renal crônica nem perceba que esteja no estágio inicial da doença. Isso acontece, pois o avanço da doença renal crônica acontece de forma lenta e imperceptível. 

A doença também possui 5 estágios. O estágio 1 é conhecido por apresentar uma baixa função renal. Já o estágio 5 já é considerado a insuficiência completa do órgão. No último estágio é necessário que a pessoa precise de tratamento intensivo, como a diálise ou até o transplante do órgão. Essa necessidade existe em razão do risco de vida, caso não se cuide da doença e seus reflexos. 

O que causa a doença renal crônica?

Como já tínhamos adiantado antes em “O que é doença renal crônica”, a DRC pode ter diversas causas. Alguns fatores que contribuem para o aparecimento da doença são a pressão alta, a obesidade, a diabetes e a idade avançada. 

Porém, um dos fatores mais importantes que contribuem para que a doença se manifeste é a falta de hidratação. É extremamente comum que pessoas que não bebam água apresentem complicações e mau funcionamento dos rins. 

Saber o que é doença renal crônica é importante para cuidar do funcionamento do seu corpo. Imagem: Freepik
Saber o que é doença renal crônica é importante para cuidar do funcionamento do seu corpo. Imagem: Freepik

Para que os rins funcionem de forma saudável, é necessário que cada pessoa consuma o mínimo de 2 litros de água por dia. Bebidas com muito sódio, como refrigerantes, também podem contribuir para o aumento da pressão arterial, que por sua vez, contribui com o aparecimento da doença crônica renal. 

Sendo assim, a hidratação é fundamental. O consumo de alimentos saudáveis, como frutas e legumes também ajudam o trabalho dos rins. Frutas como laranja e limão previne a formação de cristais nos rins. Sem contar que também hidratam e ajudam no sistema imunológico do corpo. 

Quais os principais sintomas?

Depois de entender melhor o que é doença crônica renal, como identificar seus sintomas? Como também já adiantamos ao longo desse texto, não é fácil identificar a doença, principalmente em seus estágios iniciais. Isso porque a doença é silenciosa e muitas vezes difícil de perceber. 

Porém, conforme a doença avança, alguns sintomas vão se tornando cada vez mais claros. Confira quais são eles:

  1. Perda de apetite: Pessoas com DRC costumam relatar a falta de vontade de se alimentar. Isso ocorre, pois o organismo começa a não querer aceitar alimentos que não consegue filtrar;
  2. Perda de peso: Com a perda de apetite, é natural que a pessoa com a doença se alimente menos. Com isso, o peso corporal tende a diminuir. 
  3. Inchaço: Com os rins não conseguindo filtrar os nutrientes, é comum que ocorra o acúmulo dentro do organismo, ocasionando o inchaço;
  4. Alterações na pressão arterial: Como os rins ajudam a regular a pressão, com o seu mau funcionamento, a pressão pode oscilar e ter picos em um intervalo curto de tempo;
  5. Mudança na cor e odor da urina: Com o mau funcionamento dos rins, a urina pode apresentar uma cor amarelada mais intensa e forte odor. Em casos mais graves, a urina pode vir acompanhada de sangue. 
  6. Enjoo e vômito: Um dos principais sinais de alerta é o enjoo e vômito. Ao sentir esses sintomas, é importante procurar um médico imediatamente. 
  7. Febre: Um dos sintomas menos comuns é o aparecimento de febre. Essa é uma reação ao organismo em combate à toxinas e bactérias, tendo em vista que os rins, quando doentes, não conseguem reagir com proteção nesses casos. 

Os estágios da doença

Como dito anteriormente, a doença renal crônica possui 5 estágios. Conheça um pouco de cada um deles abaixo:

Estágio 1: 

O rim ainda se encontra normal. O nível de mau comprometimento de suas atividades é de 10%. Os sintomas ainda são imperceptíveis, mas já é possível notar o primeiro sinal de lesão do órgão. 

Estágio 2:

Neste estágio, os rins começam a perder levemente o controle de suas atividades. Cerca de 60% a 89% ainda continuam em pleno funcionamento. 

Estágio 3:

Com uma perda maior da autonomia de suas atividades de filtragem, os rins podem funcionar entre 45% a 59% de forma autônoma. É nesse estágio que os primeiros sintomas no corpo costumam aparecer. 

Estágio 4:

Neste estágio, o rim já se encontra bastante enfraquecido e prejudicado. Sua capacidade de autonomia sofre uma redução severa, com apenas 15% a 29% de autonomia nas suas atividades. 

Estágio 5:

Também conhecido como último estágio, aqui o rim se encontra em estado de falência. Com menos de 15% de sua autonomia, precisa de diálise ou transplante para que o organismo não sofra. 

Como tratar doença renal crônica

Por mais que a doença renal crônica seja muito séria, ela tem tratamento. Os tratamentos podem ajudar que a pessoa afetada consiga levar uma vida normal, dependendo do estágio em que a doença esteja. Confira agora quais os principais tratamentos para a DRC. 

Hemodiálise

O tratamento consiste na filtragem do sangue. Basicamente a função que o rim tem, só que dessa vez feito por uma máquina. A filtragem feita pela hemodiálise tem como objetivo diminuir o excesso de sal e demais líquidos para que o organismo fique em equilíbrio. 

Para que o tratamento ocorra, o sangue do paciente é retirado por uma agulha especial e enviado até a máquina de hemodiálise. Por meio de um cateter conectado ao corpo, o sangue filtrado sai da máquina de hemodiálise e volta ao corpo do paciente. O tratamento costuma ser doloroso e precisa ser feito no mínimo 3 vezes por semana. Além disso, cada sessão pode durar de 3 a 4 horas. 

Diálise peritoneal

Muito similar ao tratamento de hemodiálise, só que o processo ocorre todo dentro do corpo do paciente. Além disso, a diálise pode ser feita pelo próprio paciente ou familiar. Sem necessidade de ter máquina, o que acontece é a inserção do líquido da diálise no organismo por meio de um cateter. 

Esse líquido é responsável pela filtragem do sangue do corpo. Assim que terminada a filtragem, o líquido volta ao corpo e precisa ser trocado. Esse processo pode ser feito 4 vezes ao dia em uma sessão de 30 minutos cada. 

O tratamento costuma ser menos doloroso que a hemodiálise, além de permitir que o paciente não esteja preso por muito tempo para fazer o tratamento. 

Transplante renal

Quando o paciente se encontra em um estágio avançado da doença renal crônica, o transplante renal pode ser uma das alternativas. O doador pode ser uma pessoa já falecida ou viva. 

Para isso, é necessário que haja um estudo sobre a compatibilidade do órgão retirado no corpo a ser transplantado. Depois do transplante, também é necessário acompanhar o processo de adaptação do órgão no corpo. 

Alguns especialistas da área da saúde afirmam que a expectativa de vida de um órgão transplantado é de 15 a 25 anos. Caso seja necessário e o órgão também apresente problemas, uma nova cirurgia pode ser necessária. 

Como fazer o diagnóstico?

Para fazer o diagnóstico preciso da doença renal crônica, é necessário marcar consulta com um nefrologista. A partir deste especialista, é possível que ele recomende exames que entendam se:

  • Houve perda proteica pela urina;
  • Se há alterações na urina, como a hematúria;
  • Se os rins, em sua estrutura, sofreram alterações por meio de exames de imagem;
  • Se houve redução da taxa de filtração dos rins;
  • E se houve alteração dos eletrólitos.
O nefrologista é o médico que cuida da saúde dos seus rins. Imagem: Freepik
O nefrologista é o médico que cuida da saúde dos seus rins. Imagem: Freepik

Com estas informações, o nefrologista consegue ter certeza se o rim está dentro do quadro de doença crônica renal ou não. Além disso, os resultados dos exames também podem apresentar o estágio da doença e por onde começar com o tratamento ideal. 

Quem são os principais atingidos

Os perfis apresentados abaixo podem apresentar maiores chances de desenvolverem a doença. Confira:

  • Portadores de diabetes, seja do tipo 1 ou do tipo 2;
  • Portadores de hipertensão, com pressão arterial acima de 140/90 mmHg;
  • Idosos;
  • Pessoas com obesidade;
  • Portadores de doenças no sistema circulatório;
  • Pessoas que tenham histórico na família de familiares com DRC;
  • Fumantes.

Também é interessante observar que esse grupo, além de terem maiores risco de terem a doença, também podem necessitar de um maior cuidado caso tenham a doença. Com o rim comprometido, além de outras partes do corpo, é essencial acompanhar de perto cada caso para uma melhor qualidade de vida. 

Como prevenir?

A prevenção da doença renal crônica está diretamente ligada ao estilo de vida de cada pessoa. Ter uma vida saudável já é mais de metade do caminho andado para que a doença não apareça. 

Também é importante frisar que a DRC não é uma doença transmissível. Esse fator endossa o que falamos anteriormente, de que o estilo de vida é um dos principais fatores que contribuem para o aparecimento da doença renal crônica. 

Sendo assim, uma alimentação balanceada, equilibrada, a prática de exercícios físicos de forma regular e a hidratação são os principais aliados para manter a saúde em dia.  

Conclusão

Depois de compreender o que é doença renal crônica, seus sintomas e tratamentos, esperamos que estes aprendizados te ajudem a tomar as melhores decisões sobre a sua saúde. 

A doença renal crônica faz parte das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT). Estas doenças correspondem a cerca de 36 milhões, isto é 63%, das mortes em todo o mundo. Os dados são de 206, segundo o Ministério da Saúde. Além desse dado, segundo a SBN (Sociedade Brasileira de Neurocirurgia), estima-se que a doença renal crônica seja a 5ª maior causa de mortes em 2040

Portanto, manter toda a atenção com a saúde dos rins é essencial. Hidratação, alimentação saudável e um estilo de vida equilibrado são fundamentais para que a doença não se manifeste. Então, todo cuidado é pouco. 

Gostou do conteúdo? Compartilhe com quem também precisa saber. E, se preferir, continue lendo mais no nosso blog. Veja nossa leitura recomendada:

 

Perguntas Frequentes

É importante saber que os rins são órgãos complexos. Isto é, eles coordenam diversas funções no organismo.

O termo se refere a alterações que afetam as estruturas dos rins. Ainda segundo o Ministério, as causas podem ser diversas e precisam ser investigadas com precisão. 

A prevenção da doença renal crônica está diretamente ligada ao estilo de vida de cada pessoa. Ter uma vida saudável já é mais de metade do caminho andado para que a doença não apareça. 

Compartilhe

Receba nosso conteúdo exclusivo e fique por dentro das novidades de saúde e beleza.

Mais lidas

plugins premium WordPress